Visto de Investidor E-2

Visto E-2

Permite que o cidadão, de um “país com tratado“ (país com o qual os EUA mantem um tratado de comercio de navegação)  possa ser admitido ao investir um valor substancial em negócio nos EUA.

O investimento deve ser gerenciado por um membro com nacionalidade de um dos países com tratado.

Exemplos: Argentina, Colômbia, Equador, França, Alemanha, Itália, Japão, México, Espanha e Reino Unido
Lista completa: http://travel.state.gov/content/visas/en/fees/treaty.html

Apesar de o Brasil e a Venezuela, não serem “países com tratado”, muitos investidores se qualificam para o visto E-2 através de dupla-nacionalidade com países como Itália e Espanha.

O investimento deve ser substancial em relação ao tipo e tamanho do negócio; muitas vezes uma quantia mínima de US$ 150.000. O negócio deve ser uma empresa com lucros suficientes para apoiar a família do investidor.

*O conteúdo deste site é apenas informativo e de natureza geral. Por favor, consulte um advogado de imigração licenciado para aconselhamento sobre a sua situação individual.

Prós

Teoricamente não há limite sobre os tipos e tamanhos de empresas;
Pode ser estendido sem limites;
Normalmente usados por empresários a partir de novos empreendimentos nos EUA, quando eles não têm quaisquer empresas afiliadas no exterior;
Pode patrocinar outros empregadores essenciais que têm mesma nacionalidade;
O curto tempo de processamento, muitas vezes inferior a um mês;
Os menores de 21 podem frequentar a escola e o cônjuge pode obter autorização de trabalho.

Contras

Falta de uniformidade no processamento das petições pelos consulados;
È necessário comprovar o crescimento e a rentabilidade do negócio, no período de cinco anos, para obter renovação, do visto;
Requer o montante de investimento no início (geralmente mais de US$ 150.000);
Não há direito ao green card;
Emprego autorizado apenas na companhia onde haverá o investimento para o visto E2.

Contato
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.