Vistos E-1 e E-2 sob o governo Trump

Vistos E-1 e E-2 sob o governo Trump

Por: David Melik Telfer, Advogado de Imigração

Há muita preocupação com as mudanças nas políticas de imigração no governo do Trump; algumas mais dignas de preocupação do que outras. Apesar de não terem sido aprovadas novas leis de imigração pelo Congresso, o cenário de imigração é uma mistura complicada de lei, regulamentação e política que permite a mudança real de palavras sem passar por uma nova legislação. Houve algumas grandes mudanças de imigração emitidas como Ordens Executivas, mas essas são principalmente relacionadas a indivíduos que vivem nos EUA sem documentação adequada. No entanto, agora estamos começando a ver mudanças mais sutis para os processos de imigração de negócios tanto nos Estados Unidos (USCIS) quanto no exterior (Consulados dos EUA – Departamento de Estado) por conta de uma Ordem Executiva em particular.

A ORDEM EXECUTIVA FOI A BAHA (BUY AMERICAN HIRE AMERICAN)

A política instituída pelo Trump “Buy American Hire American (BAHA)” – compre produtos americanos, contrate americanos – foi emitida em 18 de abril de 2017, com instruções para o Secretário da Segurança Interna “… proteger os interesses dos trabalhadores dos Estados Unidos na administração do nosso sistema de imigração …“.

Embora o impacto total da BAHA ainda não esteja claro, há uma mudança evidente no contexto do Tratado do visto E-1 e do Tratado do visto de Investidor E-2. Ao contrário do visto de investidor EB-5, não havia nenhum requisito prévio para criar empregos para os americanos de acordo com o programa de Visto de Tratados. No entanto, o Foreign Affairs Manual (FAM), que estabelece a política para os consulados dos EUA no exterior, recentemente acrescentou uma disposição que cita a intenção da BAHA de “criar salários mais altos e taxas de emprego para os trabalhadores nos Estados Unidos e proteger seus interesses econômicos”.

A consequência da BAHA é mais evidente nas entrevistas da E Visa. Vimos mais perguntas dos funcionários consulares sobre como a empresa do investidor afetará os trabalhadores americanos. Além disso, ouvimos falar de uma rejeição de negação do E-2, onde o Diretor Consular alegou que o Investidor do Tratado iria prejudicar os trabalhadores americanos, pagando-se muito pouco como o CEO da empresa que ele estava criando nos EUA

AS BOAS NOTÍCIAS: OS VISTOS E AINDA SÃO GRANDES OPÇÕES

No entanto, não são todas más notícias. Ainda temos um grande sucesso com os Vistos de Tratado E-1 e E-2, mostrando evidências claras de como os trabalhadores americanos se beneficiarão com o investimento estrangeiro. Além disso, percebemos que, em países como o Brasil, onde há uma negação cada vez maior para os vistos L-1 por fraude, o Visto de Investidor de Tratado E-2 é uma boa opção e menos criteriosa. Recentemente, obtivemos um visto E-2 aprovado para um cidadão brasileiro/espanhol no Consulado dos EUA no Brasil com um investimento de US $ 62.000.

Assim, os Vistos E ainda são uma ótima opção, mas é importante certificar-se de abordar como sua empresa ajudará a economia americana e, acima de tudo, os trabalhadores americanos.

QUATRO DICAS PARA VISTOS DE INVESTIDORES DE TRATAMENTO E-2 SOB A ADMINISTRAÇÃO DO TRUMP:

1. Gaste o dinheiro (incluindo folha de pagamento para um trabalhador americano)

Você deve “investir irrevogavelmente” o seu dinheiro no seu negócio antes de solicitar o E-2. Isso pode parecer contra-intuitivo, mas não há como evitar essa regra; você não pode ter todo seu investimento parado no banco quando você aplicar para o seu visto.

  • DICA #1:
    • Contrate um cidadão dos EUA (pelo menos por meio período) e ajude-os a trabalhar e ter um salário;
    • Pague adiantado o aluguel do seu escritório por 6 meses ou mais;
    • Obtenha sua internet e eletricidade e comece a pagar suas contas mensais;
    • Compre equipamentos; e
    • Compre móveis para o seu escritório.

2. Invista o máximo que você puder  

O valor que você investir deve ser suficiente para realizar seu plano de negócios. Conseqüentemente, esse valor varia muito de acordo com o tipo de negócio. Se você está iniciando um negócio de fotografia de casamento, os custos de inicialização são muito menores do que o início de uma empresa de impressão de placa de circuito. No entanto, quanto mais você pode investir melhor.

  • DICA #2:
    • Se você não tem muito dinheiro, o valor de sua Propriedade Intelectual (direitos autorais, patentes, etc.) pode ser aplicado como parte de seu investimento. Esta é uma ótima opção para muitas novas empresas de tecnologia.

3. Faça Negócios.

Embora não exista nenhuma exigência de que sua empresa já esteja aberta e em funcionamento, existe a exigência de que você possa mostrar que o negócio é viável. A melhor maneira de fazer isso é mostrar clientes atuais, comprometidos ou futuros.

  • DICA #3:
    • Se você estiver vendendo produtos, obtenha algumas vendas ou pedidos.
    • Se você estiver prestando um serviço, tente obter contratos com clientes ou ao menos cartas de intenção de clientes interessados.

4. Contrate as pessoas certas.

O E-2 abrange vários campos da lei. É importante encontrar um advogado e / ou outros consultores que compreendam as questões de imigração e negócios. Também é importante encontrar pessoas que tenham experiência prática em negócios que possam orientá-lo no processo de inicialização e ajudá-lo a superar os obstáculos que os novos negócios enfrentam nos EUA.

  • DICAS – Antes de aplicar:
    • Procure advogados e conselheiros especialistas nesta área.
    • E lembre-se que é mais barato pagar bons conselheiros antes(no início) do que tentar consertar complicações após o fato.

 

David Melik Telfer tem trabalhado na área desde 2008 e é advogado associado da Kerosky Purves & Bogue LLP. Ele mora em Los Angeles e trabalha no escritório de Beverly Hills. O Sr. Telfer se formou com as maiores honras na Universidade da Carolina do Norte com um diploma em Línguas Românicas e na Faculdade de Direito da Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA) fez seu Doutorado. O Sr. Telfer trabalhou em uma série de projetos empresariais e de consultoria, incluindo a fundação e operação de um dos maiores ginásios de arte marcial mista (MMA) de Los Angeles e consultoria para empresas de importação e exportação na América Latina. Ele também fundou uma marca brasileira de roupas de Jiu Jitsu que oferece equipamentos e fundos para treinamento do Jiu Jitsu brasileiro à crianças desfavorecidas na América Latina. O Sr. Telfer realmente gosta de trabalhar diretamente com os clientes para resolver questões de imigração familiar e empresarial, bem como questões legais que enfrentam empresários e pequenas empresas. O Sr. Telfer fala fluentemente espanhol e português e fala um pouco de francês.

 

 

Latest Articles

Embaixadas e consulados dos EUA estão ABERTOS para entrevistas do visto E-2

Embaixadas e consulados dos EUA estão ABERTOS para entrevistas do visto E-2

Boas Notícias para Titulares e Requerentes de Visto E-2 e L-1

Boas Notícias para Titulares e Requerentes de Visto E-2 e L-1

Webinar Sobre Vistos E-2 e Opções de Franquias

Webinar Sobre Vistos E-2 e Opções de Franquias

A ordem de Trump para suspender a imigração não afeta vistos E-2

A ordem de Trump para suspender a imigração não afeta vistos E-2

Resiliente ao COVID

Resiliente ao COVID